Quando o Carnaval acaba mal!

“Todo Carnaval tem seu fim….” Muita gente canta, mas solto na folia quando o clima está mais pra “quem não chora não mama” esquece que a musica alerta sobre o que, de fato, é uma verdade: O carnaval tem fim e restarão apenas as lembranças.  Lembranças essas que algumas pessoas se pudessem optariam por apagá-las.

O Carnaval é uma época onde muitos se permitem descontrair no clima de alegria e euforia, mas alguns extrapolam os limites e acabam vitimas dos próprios excessos, sem lembrar que a quarta-feira de cinzas chega e a rotina também.

Exageram na bebida, nas fantasias, nas caricias e na medida do bom senso. Caem num embotamento, perdem o discernimento e acabam na pior. Retornar à vida e principalmente ao trabalho, muitas vezes vira um tormento. E alguns despropósitos viram piada na boca dos amigos, ou pior, inimigos.

“Em tempos de redes sociais onde quase tudo é divulgado sob o calor dos ânimos e em tempo real é necessário ter muita cautela na medida de festejar. Lembre-se que dependendo da extravagância, você rapidamente estará numa vitrine”- orienta a coach e consultora de carreira e imagem Waleska Farias.

Seguem algumas dicas para ajudar a manter a linha e quem sabe até mesmo o emprego depois do carnaval. É preciso ter consciência de que uma boa imagem profissional é construída ao longo de toda uma vida a custa de alguns sacrifícios, mas em segundo pode ficar comprometida.

  1. A “festa da carne” não é literal – Não é porque é Carnaval que você além de se fantasiar deve se transformar em uma outra pessoa. Não deixe os limites em casa. Entre folia e orgia existe uma grande diferença. Lembre-se que a lei de Murphy existe, aparece sempre alguém conhecido quando menos se espera encontrar.” Afirma Waleska.
  2. Ninguém precisa saber o quanto você bebeu – Nas redes sociais, fuja das postagens de fotos com “mamadeirões”, funis gigantes  ou entornando bebida na boca e no corpo.  Ser flagrado tentando se equilibrar nas próprias pernas ou dormindo no capô do carro ou na calçada depois de certa idade já não tem mais graça. É trágico…
  3. Cuidado com o jeito de dançar – Tudo bem sambar, subir no trio, cantar todas as musicas animadamente… Agora, só porque é Carnaval incorporar a “mulher fruta” em público e cair dentro do “quadradinho de 8” é completamente desnecessário. “Vulgaridade independente da idade é muito mal vista e certamente deixa cicatrizes na reputação de quem quer que seja.” Afirma a consultora.
  4. Seu colega de trabalho e/ou seu chefe não virou seu melhor amigo – Pronto! Você encontrou alguém do trabalho no meio do bloco e de repente se tornam “best friends forever”. Ele agora conhece toda a sua vida, sabe de todas as dificuldades e revelações mais secretas. Virou seu confidente? Não. Seu algoz, pois tudo o que você disse ou fez ele pode, se e quando quiser usar contra você. – Completa Waleska.
  5. O Carnaval tem data para acabar e o trabalho para recomeçar – Quando a folia acaba é hora de voltar ao trabalho. Muitas empresas já retornam ao expediente na Quarta-Feira de Cinzas, após meio-dia. Haja com profissionalismo. Passe longe das desculpas esfarrapadas para tentar faltar ao trabalho.  Maturidade é medida pelo grau de responsabilidade. Não dê motivos para que sua boa imagem desapareça junto com o período de carnaval.
Waleska Farias

Waleska Farias
Consultora de carreira e imagem


TREINAMENTOS RELACIONADOS


QUAL A SUA
NECESSIDADE?