Quando o “Profissional” não Rima com Carnaval!

Todo Carnaval tem data para começar e terminar. Muita gente perde a linha; canta, dança, exagera na bebida, nas fantasias, nas carícias e economiza na medida do bom senso, esquecendo que a quarta-feira de cinzas não demora chega e restarão apenas os registros dos ditos e descabidos, os quais, muitos deles, algumas pessoas, reféns do próprio excesso, se pudessem, apagariam da memória quando do retorno ao ambiente de trabalho.

Em tempos de redes sociais, as imagens pessoal e profissional assumem uma mesma medida. Tudo o que é divulgado, sem crivo e sob o calor dos ânimos em tempo real, é observado e avaliado por todos, portanto, parcimônia e cautela na hora de festejar devem ser premissas básicas.

Foliões eufóricos se soltam além da conta e acabam virando notícia nas redes sociais, muitas vezes causando uma impressão que nem mesmo condiz com a realidade, comprometendo seriamente a credibilidade da sua imagem.

Dependendo dos excessos e das extravagâncias, o pessoal e profissional rapidamente assumem a mesma medida e o protagonista das estripulias carnavalescas estará exposto numa vitrine.

Para ajudá-lo a manter a linha e preservar a sua imagem, listamos algumas dicas:

  1. A “festa da carne” não é literal – Não extrapole os limites. Entre folia e orgia existe uma grande diferença. A lei de Murphy existe e é inexorável. Haverá sempre alguém conhecido à espreita para testemunhar os seus excessos.
  2. Ninguém precisa saber o quanto você bebeu – preserve-se das fotos onde você encena o “bebum”, e se perceber que passou do ponto fuja das postagens vexatórias. Ser flagrado tentando se equilibrar nas próprias pernas ou desmaiado na calçada depois de certa idade é tragicômico. Não dê chance ao azar, você pode se tornar a piada da vez.
  3. Dançar? Pode e deve, mas sem exageros. Não é porque é carnaval que você precisa incorporar personagens e exagerar nas coreografias…  Vulgaridade, independente da idade, não cabe. Além de mal vista, deixa estigmas difíceis de serem superados.
  4. Não é porque é carnaval que seu chefe ou colega, de repente, virou seu “BFF” (*best friends forever). Encontros com pessoas do trabalho não requer intimidade. Lembre-se que tudo o que você fizer ou disser, dependendo de como seja avaliado, pode ser reproduzido no ambiente profissional e depor contra você.
  5. O Carnaval tem data certa para acabar e o trabalho para recomeçar. Muitas empresas já retornam ao expediente na quarta-feira de cinzas, após meio-dia. Haja com profissionalismo. Fuja das desculpas esfarrapadas para tentar escapar do trabalho. Maturidade é medida pelo grau de responsabilidade. Não dê motivos para que sua boa imagem desapareça junto com o término do carnaval.

No mais, com boa dose de bom senso e cautela, caia na folia sem perder a linha!

Fonte: Jornal do Commercio

Waleska Farias

Waleska Farias
Consultora de carreira e imagem


TREINAMENTOS RELACIONADOS


QUAL A SUA
NECESSIDADE?