Marca Pessoal ou Profissional? Defina-se e Distinga-se.

A despeito de me apresentar como consultora de carreira e imagem e trabalhar com o conceito de Marca Pessoal há bastante tempo, recorrentemente ouço a mesma pergunta: na posição de consultora de carreira, “por que não usar o conceito de marca profissional ao invés de Marca Pessoal”? A pergunta, certamente, cabe. Mas, no contraponto também cabe a ressalva de que: antes do indivíduo se constituir profissional ele se apresenta como pessoa. Quem ele é antecede o que ele faz. Seja como funcionário, freelancer ou empresário, a sua Marca Pessoal, a despeito do seu status, fala antes da sua profissão.

Acredito fortemente que tudo começa e se encerra no indivíduo. E por acreditar nisso, cada vez mais me dedico a investigar a influência dos atributos e valores pessoais – e suas nuances subjetivas, como recurso valioso na estratégia de posicionamento profissional e construção de um referencial de liderança, onde as pessoas possam fundamentar a sua experiência de percepção. Como cada circunstância vivida de alguma forma modifica quem a vivencia, a Marca Pessoal, assim como o indivíduo, por ser a afirmação de tudo o que ele faz, vive em constante transformação. E por ser intencional, pelas escolhas que o qualificam e o conectam a um contexto, justifica também as oportunidades que ele atrai.

Por estímulo cultural a Marca Profissional sempre angaria um maior foco de investimento. As pessoas investem na construção de um portfólio profissional e perfil digital, mas acabam isentando-se da responsabilidade de administrar-se como Marca Pessoal. Algumas vezes, por desconhecerem o propósito, outras, por não saberem como fazê-lo. E quando adquirem consciência sobre o valor do conceito, na sequência deparam-se com o questionamento: O que fazer para destacar a relevância da Marca Pessoal? Ser executivo na gestão de alguns aspectos ajuda bastante o processo de posicionamento da Marca Pessoal:

Seja claro ao falar sobre “quem você é” e “do que é capaz de realizar”: Quanto mais me
envolvo com desenvolvimento humano, mais percebo que a grande maioria dos profissionais é fluente na ilustração de produtos e serviços, mas hesitam na hora de vender a sua própria Marca. Construção da Marca Pessoal não é algo que acontece por acaso. É preciso atuar com propósito, ter clareza do valor da entrega e convicção da necessidade de conectar significado e finalidade.

Tenha clareza do seu valor. Jamais sente à mesa para negociar sem ter claro o que você pode agregar de valor ao objetivo da negociação. A maioria das pessoas estima o preço sem considerar a proposição de valor quando negociam com seus clientes ou empregadores. Para se posicionar adequadamente, saiba como sua entrega poderá ajudar a resolver os problemas e coloque-se como parte da solução. O que o seu cliente ou a empresa contratante podem perder sem você? É aí que está o seu valor.

Deixe que as suas ações falem a seu respeito. Aja ao invés de falar. Ao invés de investir tempo fazendo autopromoção, deixe que as suas realizações promovam quem você é. A sua entrega expressa o seu diferencial. Com isso, outras pessoas, sem que você peça, farão coro ao seu propósito, ratificando o que você faz de melhor. A conjugação desses aspectos dará credibilidade a sua Marca Pessoal.

Tenha em mente que o aprendizado é contínuo: A relevância da sua Marca Pessoal é diretamente proporcional ao tanto de valor que o seu conhecimento agrega. Você não precisa ser único no que se propõe a fazer, mas precisa ser o melhor no que se dispõe a entregar para que as pessoas, ao final do trabalho, tenham como certo de que você foi a melhor opção e visualizem o porquê de você ter sido a escolha acertada.

Antes de pretender distinguir-se, defina-se! É alto o custo de deixar que as pessoas adivinhem o que você faz de melhor. Profissional sem Marca Pessoal definida é como um livro sem autoria, torna-se um título qualquer para qualquer um.

Waleska Farias
Liderança, Carreira e Imagem.

admin


TREINAMENTOS RELACIONADOS


QUAL A SUA
NECESSIDADE?